Tags

,

José Belizário Filho – Psiquiatria

Na prática clínica, as doenças alérgicas (DA) e o transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) são condições de alta prevalência na população infantil e que algumas vezes se apresentam associadas. Nas últimas décadas essas patologias têm sido bastante discutidas no meio pediátrico, não só pela alta prevalência como também devido às condutas médicas. No Brasil, o TDAH tem sido alvo de campanhas preconceituosas, vindas especialmente da mídia, onde condutas médicas estabelecidas com base em evidências científicas têm sido contestadas.

Em meados de 2012, foi publicado o primeiro artigo correlacionando transtorno de déficit de atenção/hiperatividade com doenças alérgicas, que usou dados com abrangência de 98% da população. Este estudo foi realizado em Taiwan, junto do Taiwan’s National Health Insurance Research Database (NHIRD), envolvendo 226.550 crianças e adolescentes entre 0 e 17 anos.

As doenças alérgicas consideradas foram a asma brônquica (AB), a rinite alérgica (RA) e a dermatite atópica (DA). O TDAH foi diagnosticado de acordo com o DSM-IV (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, quarta edição).

Os resultados mostraram prevalência de 21,4% de doenças alérgicas na população estudada, sendo 6,2% de asma brônquica, 15,3% de rinite alérgica e 4,7% de dermatite atópica. A prevalência de TDAH na amostra geral foi de 0,6%, entretanto observou-se uma diferença estatisticamente significativa quando comparados os pacientes alérgicos com os não alérgicos, ou seja, 0,9% e 0,5% respectivamente.

Quando comparadas individualmente as doenças alérgicas, tanto a rinite alérgica como a asma brônquica mostraram maior risco de associação com TDAH, sendo a rinite alérgica a de maior risco.

Condições comórbidas neste estudo apontaram que pacientes com rinite alérgica e asma brônquica ou rinite alérgica, asma brônquica e dermatite atópica apresentaram aumento do risco de TDAH. Entretanto, pacientes com dermatite tópica e asma brônquica não mostraram risco significativo.

Estudos anteriores mostraram resultados conflitantes que podem ser atribuídos à inclusão de todos os distúrbios alérgicos em um único grupo, bem como o pequeno tamanho das amostras estudadas.

Existem vários sintomas que se apresentam tanto em doenças alérgicas como em TDAH, tais como distúrbios do sono e alterações cognitivas. Possíveis explicações para a associação entre rinite alérgica e TDAH são os sintomas comuns e as complicações comportamentais, relacionadas possivelmente a perturbações do sono, que podem levar à fadiga diurna, falta de atenção e impulsividade. A importância desta alteração já havia sido estabelecida em pacientes com doenças alérgicas e distúrbios do sono, que apresentavam maior risco de desenvolver TDAH.

O estudo de Taiwan só fornece dados sobre as taxas de prevalência de doenças alérgicas e TDAH. No entanto, como o NHIRD cobre quase toda a população de Taiwan, esses dados são de grande valor para pesquisadores e clínicos.

Concluindo, este estudo mostra associações entre doenças alérgicas, especialmente rinite alérgica, e TDAH. Um dos fatores importantes nesta inter-relação, provavelmente, é o distúrbio de sono associado, pois em crianças com TDAH e/ou distúrbio de sono encontramos um amadurecimento mais tardio no córtex frontal, o que nos indica a importância do sono regular, isto é, com ciclos completos, neste processo. Essa pode ser uma importante estratégia para auxiliarmos nossos pacientes.

Assim, recomendamos que os pediatras, especialmente aqueles com experiência em alergias, estejam cientes do aumento de risco de TDAH em seus pacientes.

Bibliografia: 

Shyu CS, Lin HK, Lin CH, Fu LS. Prevalence of attention-deficit/hyperactivity disorder in patients with pediatric allergic disorders: a nationwide, population-based study. J Microbiol Immunol Infect 2012; 45:237-242.

Shaw P, Eckstrand K, Sharp W, Blumenthal J, Lerch JP, Greenstein D, Clasen L, Evans A, Giedd J, Rapoport JL. Attention deficit/hyperactivity disorder is characterized by a delay in cortical maturation. Proc Natl Acad Sci USA 2007; 104:19649-19654.

Veja mais detalhes em:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22580087