Tags

,

O questionário TRACK é baseado nas áreas de prejuízo e de risco que são parte do consenso publicado pelo Programa Nacional de Educação e Prevenção em asma.

O questionário de múltipla escolha deve ser completado pelo cuidador da criança e contem apenas cinco questões:

1.    Durante as últimas 4 semanas, com que freqüência seu filho foi incomodado por problemas respiratórios, como chiado, tosse ou respiração curta?

2.    Durante as últimas 4 semanas, com que freqüência seu filho acordou à noite por problemas respiratórios?

3.    Durante as últimas 4 semanas, com que intensidade os problemas respiratórios de seu filho interferiram em sua capacidade para brincar, ir à escola, ou realizar atividades habituais que uma criança faz na idade dele?

4.    Durante os últimos 3 meses, com que freqüência você precisou tratar os problemas respiratórios de seu filho com medicações de alívio imediato?

5.    Nos últimos 12 meses, com que freqüência seu filho necessitou de receber corticosteróides orais para problemas respiratórios não controlados por outras medicações?

Cada resposta recebe de 0 a 20 pontos com base em uma escala tipo Likert de 5 pontos, para uma pontuação total de 0 a 100 pontos. Um ponto de corte de 80 tem a acurácia de separar as crianças que estão com os sintomas controlados daquelas que não estão.

As 5 questões foram retiradas de um esboço de questionário com 33 itens que foi analisado em um estudo prévio. Esse estudo envolveu 486 cuidadores de crianças pré-escolares acompanhadas por especialistas em asma.

Os autores do estudo apontam que avaliar o controle de crianças jovens pode ser desafiador por causa da falta de medidas objetivas da função pulmonar. Além disso, os sintomas de asma podem mimetizar aqueles de outras doenças comuns da infância.

E mais, rastrear sintomas é uma preocupação maior nos pré-escolares porque eles tendem a necessitar de mais visitas ao seu médico e a serviços de emergência com mais freqüência do que crianças mais velhas, e seu adoecimento pode estar associado com maior morbidade.

Fonte