Tags

,

Exposição pré-natal ao tabagismo modula o desenvolvimento cerebral, o que pode comprometer o desenvolvimento mental da criança. Mikael Ekblad e colaboradores, da Universidade de Turku, Suécia, realizaram estudo com o objetivo de avaliar os efeitos da exposição pré-natal ao tabagismo na morbidade e mortalidade psiquiátrica entre adultos jovens, com base em dados de um registro populacional longitudinal.

Informações sobre tabagismo materno relatado pelas mães (0, <10, >10 cigarros ao dia) e outros fatores (idade materna e paridade, sexo da criança, idade gestacional, peso ao nascer e escore de Apgar em cinco minutos) foram extraídos do Finnish Medical Birth Register. Dados sobre diagnósticos psiquiátricos da prole, cuidados hospitalares da prole e da mãe foram extraídos do Finnish Hospital Discharge Register.

Dados sobre mortalidade foram extraídos do Cause-of-Death Register. A amostra estudada incluiu todos os nascidos de gestação única entre 1987 e 1989, na Finlândia, que tinham informações sobre exposição pré-natal ao tabagismo (n=175.869). Foram excluídas crianças com anomalias congênitas e que morreram na primeira semana de vida. O desfecho foi a morbi-mortalidade psiquiátrica. A prevalência de tabagismo materno foi de 15,3%.

O risco de morbidade psiquiátrica foi significativamente maior entre as crianças expostas, em relação às não-expostas. Entre a prole de mães que fumavam menos de 10 cigarros ao dia, 21% apresentaram diagnósticos psiquiátricos (odds ratio, OR, de 1,53; IC95% 1,47-1,60), em comparação a 24,7% da prole das que fumavam mais de 10 cigarros ao dia (OR de 1,85; IC95% 1,74-1,96) e a 13,7% na prole das mães que não fumaram (grupo de referência).

O risco foi aumentado significativamente para a maioria dos diagnósticos psiquiátricos. Os efeitos mais fortes foram observados para distúrbios de uso/abuso de substâncias psicoativas e de comportamento ou emocionais. O risco de morte foi significativamente maior entre as crianças expostas a mais de 10 cigarros ao dia (OR de 1,69; IC95% 1,31-2,19), em comparação às crianças não-expostas. A exposição pré-natal ao tabagismo está associada a risco aumentado de morbidade psiquiátrica, enquanto a exposição pré-natal a mais de 10 cigarros ao dia aumenta o risco de mortalidade na infância, adolescência e idade adulta jovem.

Fonte: Prenatal Smoking Exposure and the Risk of Psychiatric Morbidity Into Young Adulthood